Empreendedorismo social: como aliar os lucros à relevância social

Empreender é investir em ações que transformam o mundo. Isso acontece a partir do desenvolvimento de negócios que geram lucros e movimentam a economia em favor de uma ideia. Mas e se os mesmos conceitos do empreendedorismo que funcionam tão bem para as empresas fossem transferidos para o contexto social?

Os negócios que apresentam soluções para problemas de ordem social por meio de produtos e serviços tem crescido cada vez mais no Brasil e no mundo. Essas iniciativas têm ajudado a solucionar problemas na saúde, educação, sustentabilidade e outros a partir do equilíbrio entre lucro e relevância social.

O que é empreendedorismo social?

O empreendedorismo social foi formulado pelo norte-americano Bill Drayton em 1980 com o objetivo de utilizar as técnicas de gestão, marketing, tecnologia, inovação, criatividade e outras que já eram usadas dentro das empresas com o propósito de maximizar o capital social de uma comunidade, bairro, cidade ou país.

As principais áreas de desenvolvimento do empreendedorismo social são:

  • educação, alfabetização e inclusão digital;
  • moradia de baixo custo;
  • reciclagem, indústrias limpas e energias alternativas;
  • agricultura, floresta e uso de água;
  • saúde e nutrição comunitárias;
  • diversidade e multiculturalismo;
  • oportunidades para deficientes;
  • serviços em geral;
  • apoio ao empreendedorismo e microcrédito;
  • direitos humanos.

Os passos do empreendedorismo social

O primeiro passo para agir por meio do empreendedorismo social se trata de identificar um problema social que pode ser solucionado. Alimentação, educação, acesso à moradia, geração de energia, acúmulo de lixo, reciclagem, mobilidade urbana: são inúmeras as questões que podem ser aperfeiçoadas a partir de ações empreendedoras. Analise os cenários com os quais você tem contato e que geram em você a força motivadora para transformar.

Com o problema identificado, é hora de compreender exatamente todas as consequências dessa situação para o público que será beneficiado. É preciso realmente imergir nas questões que rodeiam esse problema, assim como nos desejos e necessidades do público. Uma boa forma de fazer isso é a partir das técnicas de Design Thinking.

A partir daí, é possível desenvolver um plano objetivo e claro de projeto que soluciona essas questões. Reúna uma equipe interdisciplinar que se relaciona com os problemas apresentados e comecem a gerar ideias. De todas as ideias, determine aquelas que podem ser realizadas por primeiro e que terão impacto direto para a solução.

Para empreender no meio social será necessário definir um plano de marketing, uma proposta de valor e estrutura de custos, além de escolher indicadores para determinar o impacto do negócio.

Exemplos de empreendedorismo social no Brasil

Diversas instituições têm colaborado para a conceituação e fomento deste novo modelo de negócio. A organização internacional Artemisia, a Ashoka, pioneira no campo da inovação social, e a Fundação Schwab, responsável pelo prêmio Empreendedor Social no Brasil, são alguns dos órgãos que estimulam o desenvolvimento destes negócios.

Um exemplo de negócio transformador e de impacto social é a Feira Preta, a maior feira de cultura negra da América Latina. Por meio de ações, feira de negócios e eventos culturais, a organização busca fomentar o empreendedorismo étnico e fortalecer a cultura negra no País. Em 10 edições, a feira já reuniu 400 artistas, 500 expositores e mais de R$ 2 milhões de circulação monetária e 40 mil visitantes.

Além dele, a instituição Gerando Falcões, iniciativa de Eduardo Lyra, já impactou cerca de 30 mil estudantes com a meta central de promover o protagonismo dos jovens e fortalecê-los enquanto motores da transformação da sociedade.

Iniciada como trabalho de faculdade, a Ação Social para Igualdade das Diferenças (ASID) atua desde 2010 com um compromisso central: auxiliar na gestão de escolas e instituições que trabalham com pessoas especiais. Alexandre Amorim, Luiz Ribas e Diego Moreira conduzem a organização, que desenvolveu uma metodologia administrativa que aplicam nas entidades atendidas, com o objetivo de melhorar a qualidade do ensino gratuito oferecido a pessoas especiais.

Esses são só alguns exemplos de projetos de empreendedorismo social que ganharam destaque, mas abrir um negócio em benefício das pessoas pode acontecer em proporções menores, a partir de qualquer lugar.

 

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *